facebook

«

»

mai 01 2018

Imprimir Post

Como diferenciar a dor muscular de uma possível lesão?

No decorrer do meu trabalho em academias, noto que algumas pessoas têm a mania de ficar olhando quanto peso “o cara do lado” está levantado no supino, só para pegar uma carga maior que ele. Como cada corpo é um corpo, a pessoa que entra nessa “competição” pode ficar cheia de dores musculares ou até sofrer uma lesão que irá afastá-la do treino.

Na maioria dos casos, a dor “boa” aparece em quem está começando a treinar ou mesmo nos reajustes de carga. O que não pode: a dor perdurar e acarretar em um processo lesivo.

Foque, inicialmente, em pesos leves, pois eles também ajudam na definição muscular e quando combinados com a melhor execução do movimento, amplitude, velocidade de execução, recuperação e alimentação, você só colherá resultados positivos.

Utilizamos uma escala de esforço muito conhecida que é a Escala de Borg. Imagine que, em um parâmetro de 1 a 10, o objetivo é encontrar um peso intermediário, entre 5 e 6. Você deve conseguir realizar 10 repetições sem sacrificar a técnica.

Os aumentos de carga devem ser constantes, não perdendo a execução de movimento e, se estiver muito pesado para você, diminua a carga e mantenha as repetições ou mantenha a carga e reduza as repetições, sem perder a qualidade do exercício.

Dor muscular de início tardio (DMTI), como ela acontece?

Após uma sequência de exercícios, substâncias vasodilatadoras são liberadas no tecido lesionado. Em seguida, ocorre a adesão e migração de leucócitos do sangue para o local danificado. Nas primeiras horas, os neutrófilos iniciam a regeneração tecidual. Após seis a oito horas, monócitos migram para o local e no tecido são convertidos em macrófagos, liberando prostaglandinas, histaminas, cininas e potássio, que são sinalizadores de dor.

A dor muscular de início tardio pode ser por conta do processo inflamatório, mas também pode ocorrer pela necrose celular, como resultado do influxo de cálcio pós-lesão.

A percepção de dor também depende da resistência do indivíduo, que está associada à concentração plasmática de ß-endorfina, que é elevada de acordo com a individualidade biológica e intensidade do exercício. Além do mais, não podemos deixar de lado a influência ambiental e de fatores intrínsecos.

Quando sei que a dor é “boa” ou “ruim”?

Como disse acima, quando iniciamos uma atividade física ou modificamos nosso treino é normal sentirmos dores musculares após o exercício –a DMTI. Por quê? Porque estamos “quebrando” (lesionando) as fibras musculares e as reconstruindo para um aumento de resistência e massa muscular. Essa é a dor “boa”.

Ela aparece no dia seguinte após o treinamento e costuma diminuir após 48 ou 72 horas da realização do exercício. No entanto, pode permanecer por até 1 semana após o treinamento, dependendo da carga ou intensidade de exercício, sendo que você consegue realizar normalmente suas atividades e os movimentos com perfeição. Contudo, se a dor continuar igual ou aumentar e ainda impossibilitar a prática de exercícios ou atividades diárias, é bom você parar e procurar um especialista. Pode ser uma lesão, a chamada dor “ruim”.

Então, se a dor for “boa”, posso treinar?

Nada como um acompanhamento profissional para resolver seu problema. Entre 48 horas e 72 horas seu músculo já esta pronto para treinar novamente, mesmo que ainda sinta as dores do último treino. Alguns estudos mostram que treinar o mesmo músculo após um período de recuperação de dois dias, mesmo com esta dor, é anabólico, ou seja, causa hipertrofia (aumento) muscular.

Só lembre-se que isso serve para dor muscular tardia e não para lesões –nesse caso, muitas vezes o indicado é interromper o treino. As dores “boas” também podem persistir, pois seu organismo pode não estar se adaptando. É importante sempre notar se a dor atrapalha a execução do movimento, se é suportável, se passa com o aquecimento e se há adaptação à dor com a frequência e rotina de treino. Por isso, é essencial um acompanhamento profissional para rever sua carga, intensidade, recuperação, ou seja, reformular seu treinamento.

Referência:

– Foschini, D.; et al. Relação entre exercício físico, dano muscular e dor muscular de início tardio. Rev Bras Cineantropom. Desempenho Hum. 9(1): 101-106. 2007.

Fonte: Paola machado – UOL

Link permanente para este artigo: /como-diferenciar-a-dor-muscular-de-uma-possivel-lesao/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>