Updated : jul 01, 2019 in Motivacional

Veja como melhorar de vida – Parte 3

Uma vez identificado algo pelo qual se tenha ou se possa desenvolver paixão, é preciso criar um mindset, mudanças internas na mente de quem se propõe a sair da sua zona de conforto. Temos que falar um pouco sobre programação neurolinguística.

JoséMaria sempre cuidaram dos filhos com muito carinho. Tiveram uma vida muito dura, mas de forma muito digna conseguiram proporcionar uma excelente educação aos 05 filhos que tiveram. Dois dos filhos formaram em medicina, um em odontologia, um em direito e a mais nova estava prestes a se formar em arquitetura. Todos muito bem-sucedidos em suas áreas de atuação. O casal e os filhos sempre ajudaram a comunidade em que viviam. Amados por todos na pequena cidade americana em que viviam. Todos que se aproximavam de qualquer um dos integrantes da família se beneficiava do carisma e da alegria deles. Sempre estavam sorrindo e transmitiam paz e alegria.

Nos Estados Unidos, nos velórios, é comum que se faça discursos em homenagens à pessoa falecida. Falar em público é um desafio enorme para muitas pessoas. A maioria das pessoas possui essa fobia social. Todas as vezes que alguma pessoa na cidade de JoséMaria falecia, um dos filhos ou o próprio casal se encarregava de realizar discursos no velório, trazendo conforto e paz aos amigos e familiares da pessoa que havia falecido. Sempre sabiam usar as palavras certas enaltecendo as virtudes da pessoa falecida, exaltando os bons exemplos, as lições positivas. Sempre conseguiam enxergar o lado brilhante da vida.

A família de José e Maria deixou a cidade, em uma noite chuvosa, junto com os cinco filhos. Iam para a formatura da filha mais nova. Era a graduação do curso de arquitetura. Toda a cidade estava feliz e orgulhosa, afinal, sempre foram as pessoas mais queridas da cidade.

José dormiu ao volante.

Tiveram um terrível acidente.

Todos morreram.

A tristeza que tomou conta da cidade é indescritível.

Todas as pessoas na pequena cidade, direta ou indiretamente, já haviam sido beneficiadas pela bondade daquela família.

Mas, além da tristeza, uma preocupação era visível e discutida por todos: quem faria o discurso em homenagem aquela família incrível.

Ninguém se sentia a altura daquela missão. Todos diziam ser incapaz.

“Eu não consigo”, dizia um.

“Não tenho talento”, dizia outro.

“Não tenho coragem”, afirmava uma vizinha.

“Não, vou me envergonhar”, afirmou um parente.

“Não me arrisco”, diziam outros.

Ao sentimento de tristeza, somou-se o de impotência e de desestímulo.

O comediante americano, Jerry Seinfeld, faz piada com o medo de falar em público, ao dizer que “segundo vários estudos, a morte é o segundo maior medo da maioria das pessoas. Falar em público é o primeiro. Isso significa que para a maioria das pessoas, quando se vai a um funeral, se prefere estar no caixão do que no púlpito”.

Um jovem rapaz, que era amigo íntimo dos filhos do casal, uma espécie de filho adotivo de José Maria, vendo a indecisão e sofrimento das pessoas, se propôs a realizar o discurso em homenagem àquela família.

A homenagem prestada à família foi uma aula sobre mindset, sobre motivação.

O discurso você pode ler no próximo capítulo Veja como melhorar de vida – Parte 4

Veja isso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *